segunda-feira, 12 de março de 2012

Bate-Papo de Baixistas - Cordas novas ou velhas na Gravação? Old or New strings?

Por Ariel Andrade


Sempre que o assunto é gravação, a discussão é grande sobre o assunto - Cordas. Alguns acreditam que a corda deve estar completamente nova, outros já acreditam que seria melhor uma corda com poucos dias de uso e ainda há uma outra corrente que acredita que o melhor timbre é aquele da corda "velha", com o tom mais fechado. Esse assunto pintou por aqui e resolvemos perguntar pra quem é PRO no assunto, grandes nomes do planeta nos ajudaram com suas opiniões em exclusividade para o Baixonatural, confira:

Velha Vs. Nova




Ismael Miranda Miranda (Brasil)



Olha só grande Ariel, eu gosto de gravar com cordas novas porem, existe alguns estilos que cordas bem velhas resolvem melhor. ex: Reggae









Alberto Rigoni (Itália)

Bom, quando tenho que gravar partes solo eu amo ter cordas nova, o som brilhante é ótimo para solar. Enquanto para partes rítmicas eu prefiro gravar com cordas usadas por 2 - 3 dias. Eu nunca uso cordas velhas para gravar.
(Well when I have to record solo parts I love to have new strings, brilliant sound is great for soloing. while for rythm parts I prefer to record with strings used for 2-3 days. I never use old strings to record).

Ronaldo Lobo (Brasil)

Olá. prefiro cordas novas, com uma semana de trocadas, pois a afinação já assentou. A galera usa cordas velhas mais no fretlles e dependendo do tipo de som.






Simone Vignola (Itália)

Primeiramente, eu prefiro usar stainless steel strings (Cordas de aço inoxidável), eu a considero melhor para o slap e mais brilhante do que as de níquel. Eu troco as cordas antes da gravação, eu acho que o melhor som é o da corda mais nova que você puder. No entanto, eu sugiro que considere muito importante a área do baixo que você toca com a mão direita, do braço até a ponte, e a dinâmica do seus dedos: isso realmente pode modificar totalmente o seu som, podendo ter um som gordo tocando suavemente perto do braço mesmo com cordas novas.
(First I prefer to use stainless steel strings, I find them better for slapping and more brilliant than the nickel. I change strings before recording, I think the best sound is with the newest strings you can. By the way I suggest to consider very important the bass area you play on with the right hand, from the neck to the bridge, and your finger's dynamic: this really can totally change your sound, having a fat sound playing softly next to the neck also with new strings).

Davi Motta (Brasil)


Antigamente eu gostava do som das cordas já usadas, sem muito brilho, mas hoje, entendendo mais de gravação, prefiro as cordas novas, te possibilita trabalhar melhor o timbre do baixo, desde a captura à junto com outros instrumentos, sem ter que mexer demais numa frequência ou outra, acertando só os detalhes. Forte abraço!











Thomas Risell - MarloweDk (Dinamarca)

Para coisas modernas eu gosto de cordas novas, mas também podemos conseguir um som bom com cordas mais velhas. Quando faço mais R&B e Hip Hop eu não me importo em usar cordas "mortas" ou lisas (Flatwounds).



(For modern stuff i like new strings, but can also get good sound out older strings. When doing more r&b hip hop i don't mind dead or flatwound strings).                                        

 Fernando Molinari (Brasil)

Eu vario de instrumento para instrumento. Deixo a maioria dos meus instrumentos com as cordas sempre bem novas. Já no caso do meu jazz bass de escala escura, uso cordas semi novas (as que tiro de outro instrumento passo para ele) Como uso cordas com ação bem baixa, cordas novas demais no caso dele deixam o som muito aberto tirando a sonoridade "vintage". Obs: As cordas são semi novas com em média 1 mês de uso, assim elas ainda brilham e definem bem, mas não ficam com um agudo desconfortável.
Cordas velhas tendem demais paras frequências médio graves, fazendo com que o instrumento na mix final fique muito opaco e sem definição.Na hora de gravar sempre grave com timbres mais abertos e definidos, pois se for necessário podemos deixar o som mais denso na hora da mix, mas se fizer a captação com timbre muito fechado...ai não tem santo que ajude a definir seu baixo com a banda depois (risos). Só no caso dos fretless que cordas mais velhas soam bem na minha opinião.

Janek Gwizdala (Estados Unidos)

Tudo depende do que eu estou gravando. Eu vou para o estúdio com alguns baixos, e pelo menos um deles tem cordas velhas que não são trocadas há alguns anos. Isso me dá um som específico. Eu troco minhas cordas a cada três dias no meu Fodera principal não importa o que eu esteja fazendo. Eu toco tanto aquele baixo e gosto do som e da sensação de um novo set de cordas. Eu também uso cordas lisas (Flatwounds) e de fitas de nylon (Nylon Tape Wound) nos meus baixos fender, mas novamente isso tudo depende do projeto e de qual tipo de som eu ou o produtor estamos procurando.

Recentemente eu estava no estúdio com John Mayer em Nova Iorque gravando o novo álbum de Bob Reynolds, e eu perguntei para o engenheiro se por lá pelo estúdio havia algum baixo antigo que eu pudesse usar, só para ter outra opção de som no disco. Eles encontraram um velho Fender music master que pertenceu ao Jim O'rouke do Sonic Youth, e eu acabei tocando o disco inteiro com ele. Eu coloquei um set novo de cordas Nylon Tape Wound nele no primeiro dia de gravação e não as troquei pelo resto do álbum.

(It all depends on what I'm recording. I go to the studio with several basses, and at least one of them has old strings on it that haven't been changed in a couple of years. That gives me a specific sound. Then I change my strings about every three days on my main fodera no matter what I'm doing. I just play that bass so much and like the sound and feel of a new set of strings. I also use nylon tape wound and Flat wound strings on my fender basses, but again it all depends on the project and what kind of sound I'm looking for or the producer is looking for. I was recently in the studio with John Mayer in NYC recording Bob Reynolds new album, and I asked the engineer if there was an old bass in the studio that I could use, just to have another option for sound on the record. They found an old Fender music master that belonged to Jim O'rouke from Sonic Youth, and I ended up playing the entire record with it. I think I put a new set of Nylon Tape Wound strings on it on the first day of recording, and didn't change them for the rest of the album).

Tomas Julio (Colômbia)

Olá Ariel, como meu estilo de tocar envolve algumas técnicas específicas eu prefiro cordas novas para uma sessão de gravação. O único truque é que eu as coloco 5 dias antes da gravação para que as cordas percam um pouco daquele "zing" agudo, normal em sets novos. Assim eu consigo alcançar meu timbre perfeito de slaps e pizzicato. Para mim, cordas novas mostram e expõem melhor a qualidade sonora dos meus baixos, mas é um tema do que trabalhar para cada pessoa e cada tipo de baixo, por exemplo: Eu amo o som que tenho no meu AB com uma DR flatwounds de três meses..para o blues é uma diversão, mas para outros estilos simplesmente mata meu timbre.

(Hi Ariel, like my style of playing involves some specific techniques I prefers New strings to recording session. The only trick is that I put the strings 5 days before the recording session to the strings can lost a little of the "zing" highs normal in a new set...This way I can to get my perfect tone for slaps and fingers...To me, new strings show and exposes better all the sonic qualities from my basses...But it´s a theme of what work for every people and with every type of bass...Per example: I love the sound that I´ve in my AB with a 3 months old DR flatwounds...to Blues it´s a joy but for other styles of music…just will kill my tone!!!).

 Filipe Marks (Brasil)


Eu costumo trocar de cordas de 5 a 7 dias antes de gravar. Desta forma, tenho o timbre da corda nova, mas sem aquele brilho exagerado, abração.














Ximba Uchyama (Brasil)


Gosto das cordas novíssimas, pela questão da minha preferência do timbre moderno, gosto do brilho presente, como um "kick" de bumbo, dá uma definida melhor no grave. Esse brilho varia dependendo do estilo, não é o mesmo pra todos. Slap dá pra abrir mais a equalização, groove pizzicato um pouco menos. Jazz, blues, menos ainda, mas nunca abafado totalmente, não curto. Mês passado gravei o cd do faiska, troquei as cordas no dia.



E você como gosta das suas cordas na hora da gravação? (Deixe seu comentário)

Se curtiu o post COMPARTILHE com os amigos.

Junte-se ao Baixonatural nas Redes Sociais: http://facebook.com/baixonatural & http://twitter.com/baixonatural 

Um comentário: